O último Marquês de Marialva - um embaixador da Europa de Viena

Nuno Castro Luís

Resumo


O Congresso de Viena procurou uma nova ordem e equilíbrio entre as Nações, por forma a cessar alguns conflitos anteriores e reequilibrar as diversas potências. No caso português, e apesar da distância, o futuro Rei D. João VI procurou que os seus enviados tudo fizessem para não deixar de pertencer ao grupo das nações mais importantes. Para conseguir afirmar-se não bastaria estar representado oficialmente nas mesas do Congresso, sendo fundamental preparar um contexto, através de diligências paralelas, que mantivessem a sua consideração por parte dos restantes países. A vida de D. Pedro Vito de Meneses Coutinho, 8º Conde de Cantanhede e 6º Marquês de Marialva, embaixador ao serviço do Príncipe Regente desde 1807, permite uma perceção deste conjunto de ações que são conduzidas na Europa de Viena, demonstrativas de que o sucesso num certame internacional não envolvia, tal como hoje, apenas a representação formal durante a sua realização. Numa área como a história da diplomacia e das relações internacionais, o estudo dos casos concretos, dos indivíduos, das dificuldades negociais por si sentidas num tempo de difíceis comunicações, do protocolo e dos códigos utilizados, torna-se indispensável para uma melhor caracterização sociológica, social, cultural e política dos contextos que se pretendem trabalhar.

Texto Completo:

PDF

Apontadores

  • Não há apontadores.


 

 

 

 

                 

      

 

 

 

Lista das Revistas