In defence of Chaology in Political Science

Joan Pere Plaza I Font

Resumo


Tradicionalmente, a aproximação à teoria da Ciência Política (e Social) enfatiza a análise da natureza determinista, previsível e reducionista dos objetos e fenômenos. No entanto, muitos autores afirmam que os fenômenos políticos (e sociais) não são totalmente aptos para esse pressuposto ontológico; mas sim o contrário, que eles são muito mais complexos do que essa perspectiva pode sugerir.

De fato, e seguindo padrões similares a outros ramos do conhecimento, desde a década de 1990, muitas obras se multiplicaram numa ampla gama de subcampos em Ciência Política; acentuando que o resultado político não pode ser entendido somente como um equilíbrio instável entre necessidade e contingência. Este foi um marco que sugeriu a muitos autores, a inserção histórica dos fenômenos que estão em jogo.
E, ainda mais relevante para o propósito desta contribuição, essa evidência também abriu o caminho para a introdução e consolidação do quadro conceitual da Teoria do Caos em Ciência Política (e Social).

De acordo com o exposto, defende-se aqui que muitos lieux communs da Ciência Política (e Social) deveriam ser revisados através da lente da Teoria do Caos, em um esforço para promover o carácter transdisciplinar das metodologias do conhecimento e de pesquisa no curso das nossas disciplinas. A Teoria do Caos chegou para ficar, e agora é o momento para aceitá-la como é devido.


Texto Completo:

PDF

Apontadores

  • Não há apontadores.




Copyright © 2005 | CIC.DIGITAL-Porto | PRISMA.COM | ISSN 1646-3153  | DOI 10.21747/16463153 | Contacto: prisma.com@letras.up.pt 

 

  

Lista da Revistas