Africana Studia https://ojs.letras.up.pt/index.php/AfricanaStudia <p>A <em><strong>Africana Studia</strong></em> (AS) é uma publicação científica e interdisciplinar sobre <strong>África</strong> e <strong>sociedades africanas</strong>.</p> <p>A sua periodicidade é <strong>semestral</strong>.</p> pt-PT <p>Os autores cedem à Revista Africana Studia o direito exclusivo de publicação dos seus textos, sob qualquer meio, incluindo a sua reprodução e venda em suporte papel ou digital, bem como a sua disponibilização em regime de livre acesso em bases de dados.</p> <p>As imagens, no caso de serem originais e enviadas por via postal, serão devolvidas se assim for explicitado pelos autores.</p> <p>A <em>Africana Studia</em> é uma revista de acesso aberto que visa promover a divulgação e o debate da investigação científica. Todos os artigos aceitos são, portanto, publicados gratuitamente para autores e editores.</p> <p> </p> <p> </p> <p> </p> ceaup@letras.up.pt (Maciel Santos) ceaup@letras.up.pt (Carla Delgado) Tue, 31 May 2022 09:39:11 +0000 OJS 3.3.0.3 http://blogs.law.harvard.edu/tech/rss 60 Matériaux et/ou modèles pour une hypothétique «História Geral de Angola» https://ojs.letras.up.pt/index.php/AfricanaStudia/article/view/11606 <p>.</p> René Pélissier Direitos de Autor (c) 2022 Africana Studia https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 https://ojs.letras.up.pt/index.php/AfricanaStudia/article/view/11606 Tue, 31 May 2022 00:00:00 +0000 A política desportiva na República Popular de Angola: uma breve análise histórica (1975-1991) https://ojs.letras.up.pt/index.php/AfricanaStudia/article/view/11592 <p>O presente texto é o resultado de uma pesquisa feita, essencialmente, a partir de leituras e análises dos jornais e da legislação da época em estudo. Com essa metodologia, aferiu-se que, ao sair da colonização, o MPLA, fruto da sua orientação ideológica durante a Guerra Fria, implementou o “marxismo” como linha de desenvolvimento de Angola. Deste modo, durante os primeiros quinze anos de independência, o MPLA utilizou o desporto para envolver os angolanos na sua causa. Contudo, no capítulo competitivo, os campeonatos internos eram aproveitados para promover a ideologia “socialista” e passar mensagens<br>políticas. Quanto às competições internacionais, a participação angolana servia para a concretização de três objetivos fundamentais: demonstrar ao mundo a sua soberania, apoiar e solidarizar-se com os países de sua linha ideológica e, não menos importante, ganhar experiência competitiva internacional no domínio desportivo. Em síntese, o desporto esteve dentro das estratégias políticas.<br>Palavras-chave: MPLA, socialismo africano, massificação, desporto.</p> Miguel Natchulo Cassinda Direitos de Autor (c) 2022 Africana Studia https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 https://ojs.letras.up.pt/index.php/AfricanaStudia/article/view/11592 Tue, 31 May 2022 00:00:00 +0000 Desporto e construção da sociedade nova em Moçambique, 1974-1990 https://ojs.letras.up.pt/index.php/AfricanaStudia/article/view/11593 <p>Com base na revisão de literatura e pesquisa de arquivo, este artigo analisa o contributo do desporto na implementação do projeto de formação duma sociedade nova no Moçambique pós-colonial. O artigo argumenta que, à semelhança do período<br>colonial, após a independência de Moçambique em 1975, o desporto foi mobilizado para uma agenda política. Assim, modalidades como a natação, o xadrez, a vela, o hóquei em patins e o automobilismo foram consideradas desporto das elites da burguesia colonial, ao passo que o pugilismo foi considerado uma demostração e afirmação do primitivismo.<br>Estas ações enquadravam-se no plano de substituição do “desporto capitalista” por um desporto para as “massas populares”. Para o então partido-estado, o desporto deveria ajudar na construção de um país moderno e homogéneo, onde todas as formas de divisionismo, racismo, tribalismo e regionalismo fossem repudiadas.<br>Palavras-chave: Moçambique, desporto, socialismo africano.</p> Mauro Armando Adelino Manhanguele, Marlino Eugénio Mubai Direitos de Autor (c) 2022 Africana Studia https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 https://ojs.letras.up.pt/index.php/AfricanaStudia/article/view/11593 Tue, 31 May 2022 00:00:00 +0000 Sport, patriotisme et récupération politique au Cameroun à travers deux figures emblématiques du rayonnement sportif féminin: le cas de Françoise Mbango et de Sarah Etongué https://ojs.letras.up.pt/index.php/AfricanaStudia/article/view/11594 <p>Cette étude met un accent sur deux figures emblématiques du sport féminin au Cameroun. Il s’agit de la double championne olympique (d’Athènes 2004 et de Pékin 2008) du triple saut Françoise Mbango et de Sarah Etongué qui a remporté, en treize participations, sept victoires lors des éditions de l’ascension du Mont Cameroun, encore appelée «la course de l’espoir».<br>Dès lors, elles sont devenues des icônes et des valeurs de référence au Cameroun. Le régime au pouvoir n’hésite pas à instrumentaliser leurs victoires et à les transformer en ressources politiques. Malgré le degré d’évolution du Cameroun en matière de lutte contre la discrimination faite à la femme, ces deux championnes sont victimes surtout en termes de considération.<br>Il leur a fallu attendre beaucoup de temps après leurs prestations pour se voir récompenser. Cet article met en lumière les enjeux politiques autour des victoires éclatantes des sportifs par les tenants du pouvoir en quête de popularité auprès des<br>populations camerounaises, de plus en plus critiques vis-à-vis du régime.<br>Mots clés: Sport, propaganda, Françoise Mbango, Sarah Etongué.</p> Joseph Woudammiké Direitos de Autor (c) 2022 Africana Studia https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 https://ojs.letras.up.pt/index.php/AfricanaStudia/article/view/11594 Tue, 31 May 2022 00:00:00 +0000 Mandela, le renard, le lion et la gazelle. Une illustration du pouvoir du sport dans l’édification d’une nation plurielle mais unie au prisme des Springboks face au nouvel ordre mondial https://ojs.letras.up.pt/index.php/AfricanaStudia/article/view/11595 <p>Cet article explore la dialectique entre sport et pouvoir à la lumière du rugby sud-africain, son rôle complexe et ambivalent dans l’édification d’une nation plurielle mais néanmoins démocratique et cosmopolite. Les Springboks, l’équipe nationale,<br>argue-t-on, constituent un laboratoire social dans l’architecture symbolique des sociétés multiculturelles.<br>On met ici en évidence le rôle salutaire de Mandela dans la réconciliation nationale grâce au rugby, en réconciliant, fût-ce transitoirement et imparfaitement, noirs et blancs d’abord, Afrikaners et Britanniques ensuite. La communion nationale<br>a été, conclue-t-on, de courte durée tant le sport reste un sport clivant racialement. Quoi qu’il en soit lors de l’épisode du match contre les All Blacks, le patriarche sud-africain a fait preuve d’un machiavélisme génial pour contrarier l’essai du nouvel ordre<br>mondial de faire chuter la tour de Babel sud-africaine et édifier, dans une optique ethno-différentialiste, les sous-bassements d’une nation arc-en-ciel pacifiée grâce à cette religion civile consacrée dans une civilisation du spectacle.<br><strong>Mots clés:</strong> Mandela, Springboks, rugby, nouvel ordre mondial.<br><br></p> Thibaut Dubarry Direitos de Autor (c) 2022 Africana Studia https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 https://ojs.letras.up.pt/index.php/AfricanaStudia/article/view/11595 Tue, 31 May 2022 00:00:00 +0000 A (des)organização social e indisciplina no futebol do São Tomé e Príncipe independente https://ojs.letras.up.pt/index.php/AfricanaStudia/article/view/11596 <p>Este texto aborda os casos de indisciplina no futebol são-tomense, mais frequentes do que se suporia à luz das alusões à cordata idiossincrasia dos ilhéus. Com efeito, numa sociedade que, ao arrepio da prevalência do palavreado revolucionário do pós-independência, se revelava rotineira e previsível por força da inércia do imobilismo e da contenção política e policial, por<br>algum tempo os campos de futebol pareceram ser os únicos cenários onde era possível constatar-se fenómenos da indisciplina, em parte devida ao próprio jogo e talvez, de forma impensada, a tensões relacionadas com um quotidiano agreste porque pejado de privações. Neste texto analisam-se os equívocos relacionados com a indisciplina nos campos de futebol, aventando-se os seus eventuais significados políticos e sociais nos primeiros anos do São Tomé e Príncipe independente.<br>Sem uma intencionalidade política precisa, a indisciplina dentro e ao redor dos campos de futebol teve uma dimensão política no sentido em que foi expressão de um mal-estar social? Ou, mais do que configurar uma forma difusa de protesto social, a<br>indisciplina no futebol refletiu, sobretudo, a desorganização da gestão da atividade futebolística e, a montante, da sociedade?<br><strong>Palavras-chave:</strong> São Tomé e Príncipe, futebol, indisciplina.</p> Augusto Nascimento Direitos de Autor (c) 2022 Africana Studia https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 https://ojs.letras.up.pt/index.php/AfricanaStudia/article/view/11596 Tue, 31 May 2022 00:00:00 +0000 Associativismo, Desporto e Identidade em Moçambique (décadas de 1920 a 1950) https://ojs.letras.up.pt/index.php/AfricanaStudia/article/view/11597 <p>O presente trabalho apela ao contributo das diversas perspetivas das ciências sociais para a questão da produção e afirmação de identidades, de particular relevância para o associativismo e, mais particularmente, para o associativismo desportivo em<br>Moçambique.<br>Com recurso a fontes impressas e de arquivo, procurou-se identificar as possíveis representações que expressavam essas identidades. Os dados recolhidos sugerem que associações e clubes desportivos se constituíram em espaços de representação de identidades culturais de várias comunidades, através da manutenção de seus elementos culturais específicos, como a língua, símbolos de exaltação e de incentivo à prática desportiva em prol da emancipação e afirmação cultural.<br><strong>Palavras-chave:</strong> Associativismo, desporto, identidade,representação social.</p> Aurélio Rocha Direitos de Autor (c) 2022 Africana Studia https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 https://ojs.letras.up.pt/index.php/AfricanaStudia/article/view/11597 Tue, 31 May 2022 00:00:00 +0000 Percurso de vida dos ex-jogadores do Clube Desportivo Matchedje de Maputo https://ojs.letras.up.pt/index.php/AfricanaStudia/article/view/11598 <p>As transições na vida dos indivíduos são sempre assunto de preocupação social. O presente trabalho visa descrever as histórias de vida de ex-futebolistas do Clube Matchedje de Maputo. Para tal foram entrevistados quatro ex-jogadores deste clube, de acordo com um guião de entrevista previamente elaborado.<br>Os resultados revelaram que a maioria dos ex-jogadores é oriunda das cidades e de famílias humildes, sem condições de lhes garantir a continuação dos estudos até ao secundário. No final das suas carreiras, que terminam entre os 20 e 36 anos devido principalmente a lesões e à idade, muitos jogadores têm de garantir o seu próprio sustento e das suas famílias. Não lhes<br>sobra assim tempo suficiente para outras atividades, como a continuação de estudos com que se poderiam valorizar profissionalmente. Alguns continuam ligados ao futebol como treinadores dos escalões de formação, apesar dos baixos salários.<br><strong>Palavra-chave:</strong> Histórias de Vida, mobilidade social, Matchedje de Maputo, Futebol.</p> Pedro António Pessula, Bernardo Manjate Direitos de Autor (c) 2022 Africana Studia https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 https://ojs.letras.up.pt/index.php/AfricanaStudia/article/view/11598 Tue, 31 May 2022 00:00:00 +0000 O neoliberalismo e as migrações de trabalho desportivo em Moçambique https://ojs.letras.up.pt/index.php/AfricanaStudia/article/view/11599 <p>O presente estudo assenta na revisão bibliográfica em torno das migrações de trabalho desportivo. Traz ao debate o seu percurso histórico e os seus efeitos a partir do estabelecimento do neoliberalismo e do “neocolonialismo desportivo” que levaram à integração dos atletas africanos na economia global - “fuga de músculos” - em benefício dos países onde o desporto<br>está mais desenvolvido.<br>O desporto em África se afigura uma das formas ou até mesmo um campo de impugnação à situação atual e aos paradigmas teóricos/epistemológicos do presente, pelo que, tomando como base a relatividade da teoria do sistema do mundo no âmbito do desporto, e, com maior ênfase na teoria das vantagens comparativas, valorizamos uma perspetiva africana sobre este processo migratório. Portanto, assumimos uma visão mais optimista deste processo, na qual defendemos que este êxodo de músculos pode ser mais bem capitalizado a favor dos africanos.<br><strong>Palavras-chave:</strong> Neoliberalismo, migração de trabalho desportivo, Neocolonialismo.</p> Bonomar Adriano Macuácua Direitos de Autor (c) 2022 Africana Studia https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 https://ojs.letras.up.pt/index.php/AfricanaStudia/article/view/11599 Tue, 31 May 2022 00:00:00 +0000 Être un big man dans le sport, une enquête sur le football auto-organisé en diaspora https://ojs.letras.up.pt/index.php/AfricanaStudia/article/view/11600 <p>Utilisé en tant qu’élément de construction et de représentation nationale par les États africains depuis les indépendances, le football permet également de construire des expressions de soi, à travers de sa manifestation autoorganisée populaire et qui offre une véritable alternative au football fédéral.<br>De nombreuses initiatives existent désormais en diaspora, offrant à des acteurs en quête de notoriété ou de positionnement, des plateformes d’expression.<br>Important ainsi la figure du Big man présente dans le pays d’origine.<br><strong>Mots-clés:</strong> Big man, Diaspora africaine, football, auto-représentation.</p> Hervé Kouamouo Direitos de Autor (c) 2022 Africana Studia https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 https://ojs.letras.up.pt/index.php/AfricanaStudia/article/view/11600 Tue, 31 May 2022 00:00:00 +0000 Altenor Pereira https://ojs.letras.up.pt/index.php/AfricanaStudia/article/view/11604 <p>.</p> João de Sousa Direitos de Autor (c) 2022 Africana Studia https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 https://ojs.letras.up.pt/index.php/AfricanaStudia/article/view/11604 Tue, 31 May 2022 00:00:00 +0000 Joel Libombo https://ojs.letras.up.pt/index.php/AfricanaStudia/article/view/11603 <p>.</p> João de Sousa Direitos de Autor (c) 2022 Africana Studia https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 https://ojs.letras.up.pt/index.php/AfricanaStudia/article/view/11603 Tue, 31 May 2022 00:00:00 +0000 Resumos/Abstracts https://ojs.letras.up.pt/index.php/AfricanaStudia/article/view/11607 <p>.</p> Africana Studia Direitos de Autor (c) 2022 Africana Studia https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 https://ojs.letras.up.pt/index.php/AfricanaStudia/article/view/11607 Tue, 31 May 2022 00:00:00 +0000 Renamo: de la défaite à la survie? https://ojs.letras.up.pt/index.php/AfricanaStudia/article/view/11605 <p>Utilisé en tant qu’élément de construction et de représentation nationale par les États africains depuis les indépendances, le football permet également de construire des expressions de soi, à travers de sa manifestation autoorganisée populaire et qui offre une véritable alternative au football fédéral.<br>De nombreuses initiatives existent désormais en diaspora, offrant à des acteurs en quête de notoriété ou de positionnement, des plateformes d’expression.<br>Important ainsi la figure du Big man présente dans le pays d’origine.<br><strong>Mots-clés:</strong> Big man, Diaspora africaine, football, auto-représentation.</p> Michel Cahen Direitos de Autor (c) 2022 Africana Studia https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 https://ojs.letras.up.pt/index.php/AfricanaStudia/article/view/11605 Tue, 31 May 2022 00:00:00 +0000 Editorial https://ojs.letras.up.pt/index.php/AfricanaStudia/article/view/11591 <p>.</p> Augusto Nascimento, Aurélio Rocha Direitos de Autor (c) 2022 Africana Studia https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 https://ojs.letras.up.pt/index.php/AfricanaStudia/article/view/11591 Tue, 31 May 2022 00:00:00 +0000 Africana Studia nº 36 https://ojs.letras.up.pt/index.php/AfricanaStudia/article/view/11609 <p>.</p> Africana Studia Direitos de Autor (c) 2022 Africana Studia https://creativecommons.org/licenses/by-nc/4.0 https://ojs.letras.up.pt/index.php/AfricanaStudia/article/view/11609 Tue, 31 May 2022 00:00:00 +0000