Todas as Artes https://ojs.letras.up.pt/index.php/taa <p>Esta revista assume-se como um espaço de conhecimento, de investigação e de celebração das artes numa perspetiva da sociologia e dos estudos culturais. Com efeito, as artes impõem-se, cada vez mais, como referentes emblemáticos da contemporaneidade, fazendo-nos lembrar que Kant, na sua Estética, considerava já que os sentidos das artes dependiam da existência plural dos homens.</p> pt-PT <ul><li><a href="http://web.letras.up.pt/upub/RevTodasArtes/DeclaracaoDeConsentimento.pdf" target="_blank">Declaração de consentimento</a></li><li><a href="http://web.letras.up.pt/upub/RevTodasArtes/DeclarationOfConsent.pdf" target="_blank">Declaration of Consent</a></li><li>§ Todos os trabalhos publicados na revista <em>Todas as Artes</em> são abrangidos pela <a href="https://creativecommons.org/licenses/by/4.0/deed.pt">Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional (CC BY 4.0)</a>. Sob estes termos os autores conservam os seus direitos de autor e concedem à revista o direito de primeira publicação, permitindo a publicação, reprodução, distribuição, exposição e armazenamento do trabalho a nível nacional e internacional e em todos os formatos, formas e meios de comunicação atualmente conhecidos ou a desenvolver no futuro, incluindo formatos impressos, eletrónicos e digitais.</li><li>§ Os autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial nesta revista.</li><li>§ Os autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir o seu trabalho <em>online</em> (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal) a qualquer ponto antes ou durante o processo editorial, já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado.</li></ul> todasartes.journal@gmail.com (Paula Guerra) todasartes.journal@gmail.com (Ana Oliveira) Tue, 14 Sep 2021 13:38:53 +0000 OJS 3.3.0.3 http://blogs.law.harvard.edu/tech/rss 60 Volume completo https://ojs.letras.up.pt/index.php/taa/article/view/10824 <p>.</p> Revista Todas as Artes Direitos de Autor (c) 2021 Todas as Artes https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://ojs.letras.up.pt/index.php/taa/article/view/10824 Thu, 16 Sep 2021 00:00:00 +0000 Technical Sheet https://ojs.letras.up.pt/index.php/taa/article/view/10819 <p>.</p> Todas as Artes Direitos de Autor (c) 2021 Todas as Artes https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://ojs.letras.up.pt/index.php/taa/article/view/10819 Tue, 14 Sep 2021 00:00:00 +0000 Para uma certa descolonização da palavra. Entre vírgulas e pontos finais https://ojs.letras.up.pt/index.php/taa/article/view/10801 <p>.</p> Paula Guerra, Lígia Dabul Direitos de Autor (c) 2021 Todas as Artes https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://ojs.letras.up.pt/index.php/taa/article/view/10801 Mon, 13 Sep 2021 00:00:00 +0000 Quando a vida imita a arte: Zombificação https://ojs.letras.up.pt/index.php/taa/article/view/10807 <p>O realizador norte-americano George A. Romero (1940-2017) foi premonitório na “zombificação” do ser humano no mundo ocidental ao mostrar nos seus filmes de “zombies” seres humanos errantes, descarnados, alienados e sedentos de carne – a grande metáfora da vida moderna, tecnológica, inorgânica, consumista e decadente. Se compararmos o que aconteceu no dia 6 de janeiro de 2021 dentro e fora do Capitólio, em Washington D.C., às imagens de alguns dos filmes de Romero, e se compararmos as atitudes prepotentes, a roçarem a idiotia completa, do ex-presidente norte-americano Donald Trump, com o filme “Idiocracy” do realizador Mike Judge, somos levados a acreditar que a Vida imita a Arte. Os filmes de Romero e o filme de Judge são anteriores aos fatos históricos recentes da eleição de Donald Trump e do ataque ao Capitólio o que nos faz pensar que o referencial cultural e espiritual de grande parte dos seres humanos do mundo ocidental está em declínio. O que se pretende neste pequeno texto é demonstrar como o poder da imagem fílmica conduz as grandes massas de pessoas a comportamentos “zombificados” como se de uma mimese inconsciente e coletiva se tratasse. E enquanto o mundo ocidental se desfragmenta com realidades como o Brexit, querelas ideológicas, birras de negacionistas em relação ao Covid19 e ausência de solidariedade social, outros povos se erguem para reclamar o seu quinhão do mundo, leia-se o governo chinês e o governo russo.</p> Ondina Pires Direitos de Autor (c) 2021 Todas as Artes https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://ojs.letras.up.pt/index.php/taa/article/view/10807 Mon, 13 Sep 2021 00:00:00 +0000 Maze, um artista que penhora o coração em canções de evolução https://ojs.letras.up.pt/index.php/taa/article/view/10808 <p>Maze é o nome artístico de André Neves, que insere as suas produções artísticas no âmbito da street arte e da música urbana. É MC dos Dealema e também um pioneiro no que toca ao <em>graffiti </em>portuense e ao <em>hip-hop</em>. Na entrevista aqui apresentada, foi discutido o seu percurso artístico, mas também os impactos da COVID-19 nos processos de <em>music-making</em>. Paralelamente, também abordámos tópicos como a importância do uso das artes enquanto forma de inclusão social e redução de sentimentos de insegurança.</p> Sofia Sousa Direitos de Autor (c) 2021 Todas as Artes https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://ojs.letras.up.pt/index.php/taa/article/view/10808 Mon, 13 Sep 2021 00:00:00 +0000 Um mercado sentido sociologicamente. Um ensaio sobre as palavras, as memórias e as identidades https://ojs.letras.up.pt/index.php/taa/article/view/10809 <p>Se nos interrogássemos como é possível criar uma construção individual e/ou coletiva a partir de um lugar presente na nossa memória descritiva e afetiva - sobre a qual revíssemos nela mesma os sentimentos afetivos e decadentes do espaço, por nós projetados, e ao mesmo tempo, o que este projetou e projeta na nossa memória , certamente encontrar-nos-íamos como pertencentes a esse mesmo espaço. Como tal, este registo de pesquisa – assente numa metodologia de caráter qualitativo - estabelece um paralelismo entre o processo de produção e reprodução do espaço, neste caso particular do Mercado do Bolhão na Cidade do Porto, e os seus comerciantes. Questionámos a relação que os comerciantes têm com o mercado (ainda em fase de transição) e de que forma a mesma está enraizada nos seus seios familiares. Apoiamo-nos, portanto, numa posição histórica sobre o mercado e sobre os processos de reabilitação e renovação do tecido urbano, para enquadrar a necessidade de compreender onde é localizado simbólicamente o Mercado do Bolhão neste mesmo processo de mudança e como este é percecionado na cidade e pelos seus comerciantes.</p> Rui Saraiva Direitos de Autor (c) 2021 Todas as Artes https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://ojs.letras.up.pt/index.php/taa/article/view/10809 Mon, 13 Sep 2021 00:00:00 +0000 Sumário https://ojs.letras.up.pt/index.php/taa/article/view/10812 <p>.</p> Todas as Artes Direitos de Autor (c) 2021 Todas as Artes https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://ojs.letras.up.pt/index.php/taa/article/view/10812 Mon, 13 Sep 2021 00:00:00 +0000 Ficha Técnica https://ojs.letras.up.pt/index.php/taa/article/view/10810 <p>.</p> Todas as Artes Direitos de Autor (c) 2021 Todas as Artes https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://ojs.letras.up.pt/index.php/taa/article/view/10810 Mon, 13 Sep 2021 00:00:00 +0000 Conteúdos em busca de forma: A poética na escrita sociológica https://ojs.letras.up.pt/index.php/taa/article/view/10802 <p>A escrita quase nunca é pensada do ponto de vista da forma nas ciências sociais. Se na literatura ou na poesia a forma constitui um dos elementos fundamentais de expressão textual, é comum falarmos que, em ciências sociais, o que importa é a transmissão de conteúdo. Não são poucos os aconselhamentos que afirmam a necessidade de objetivos concisos e linguagem direta na execução de trabalhos acadêmicos, de modo a construir uma relação bem concatenada entre as partes do texto. É como se a elaboração do documento “científico” estivesse mais voltada para a tarefa de um ordenamento baseado na legitimação e apresentação dos dados, em diálogo com autores consagrados, excluindo-se alguma reflexão sobre as possibilidades estéticas da exposição.</p> Glória Diógenes, Irlys Barreira Direitos de Autor (c) 2021 Todas as Artes https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://ojs.letras.up.pt/index.php/taa/article/view/10802 Mon, 13 Sep 2021 00:00:00 +0000 O romance e a cultura da violência https://ojs.letras.up.pt/index.php/taa/article/view/10803 <p>Qual a relação entre violência e autoritarismo na sociedade brasileira? Como se combinam autoritarismo e violência? De que modo a literatura pode expressar essa cultura da violência? Poderia uma sociologia da violência e da conflitualidade contribuir a uma explicação sociológica abrangente e complexa da sociedade brasileira? A hipótese deste artigo é que, a partir da análise de figuras literárias nos romances, podemos sugerir a existência de uma representação na sociedade contemporânea baseada na violência como norma social, sendo expressão de uma cultura da violência socialmente legitimada.</p> José Vicente Tavares dos Santos Direitos de Autor (c) 2021 Todas as Artes https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://ojs.letras.up.pt/index.php/taa/article/view/10803 Mon, 13 Sep 2021 00:00:00 +0000 Fazer arte e ganhar a vida: Uma análise de aspectos sociais e econômicos do trabalho artístico musical de duas musicistas em São Luís – MA https://ojs.letras.up.pt/index.php/taa/article/view/10822 <p>Esse artigo traz contribuições ao debate sobre o trabalho artístico musical a partir de reflexões teóricas e dados empíricos do projeto de pesquisa: “O trabalho do artista: Investigação social das relações de trabalho na produção musical contemporânea e do mercado de trabalho do músico”. Nossa investigação sobre questões do trabalho e da vida social e econômica artística parte de uma abordagem do trabalho como uma experiência de vida imersa em relações sociais mais amplas da cultura e da sociedade, pensando a música como uma prática de múltiplas dimensões e significados sociais. Aqui investigamos dois estudos de caso de duas musicistas, Maria do Socorro Silva (cantora e compositora conhecida como Patativa) pertencente ao mundo do samba e da boemia, e, Célia Sampaio (cantora conhecida como a Dama do Reggae) pertencente ao mundo do <em>reggae</em> e do movimento negro, nos levam a questões especificas do trabalho e da vida social do artista de origem popular, a pensar as suas incertezas, precariedades e intermitências.</p> Paulo Keller Direitos de Autor (c) 2021 Todas as Artes https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://ojs.letras.up.pt/index.php/taa/article/view/10822 Thu, 16 Sep 2021 00:00:00 +0000 “No Início Havia o Jaime”: A loucura em Portugal no tempo presente a partir de uma escrita compartilhada https://ojs.letras.up.pt/index.php/taa/article/view/10805 <p>Partiremos da emergência de Jaime Fernandes, internado por cerca de 30 anos no Hospital Miguel Bombarda sob diagnóstico de esquizofrenia paranoide, para historicizar as nuanças do binômio arte-loucura em Portugal no tempo presente. Uma configuração perpassada por três movimentos imbricados, sendo o primeiro deles a repercussão das criações de internos do Hospital Miguel Bombarda, através do Museu Miguel Bombarda e da Associação Portuguesa de Arte Outsider (APAO) e da instituição de Jaime como artista bruto. O segundo, a configuração de uma coleção particular, atualmente depositada na Oliva Creative Factory, em São João da Madeira, que reúne nomes importantes da arte bruta. O terceiro consiste em um desejo de despertar uma sensibilidade pública a respeito da arte realizada por pessoas que tiveram experiências de internamento psiquiátrico, vinculado a projetos que partiram do Hospital Júlio de Matos. São estes três movimentos que conduzem o texto, não seguindo necessariamente uma linearidade, mas procurando mostrar quais as sensibilidades por eles equalizadas na tentativa de instituir valor as obras dos desviantes e possibilitando novos sentidos para os usos da loucura na invenção de novos artistas. Para além de enfrentar estas questões muito vivas, o texto foi tecido a partir de uma perspetiva de escrita compartilhada pensada a partir dos referenciais da história pública.</p> Viviane Borges , Sandro Resende Direitos de Autor (c) 2021 Todas as Artes https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://ojs.letras.up.pt/index.php/taa/article/view/10805 Mon, 13 Sep 2021 00:00:00 +0000 (Des)Construindo mapas, revelando espacializações: Narrativas cartográficas de uma etnografia em uma periferia urbana da cidade de Porto Alegre/RS https://ojs.letras.up.pt/index.php/taa/article/view/10806 <p>Este artigo apresenta dados da investigação de doutoramento, onde me aproximo da viagem etnográfica realizada em Vila Cruzeiro do Sul, em Porto Alegre/RS/Brasil, com ênfase nas dinâmicas territoriais e processos de identidade das populações periféricas. Pretendia analisar como se tecem redes de sociabilidade, em prol da melhoria das suas condições de vida, bem como como se (re)afirmam num contexto emergente de problemas sócio-espaciais que marcam as grandes metrópoles brasileiras e se circunscrevem sob as condições estruturais de pobreza, violência e segregação espacial.&nbsp; Neste estudo, através da aproximação ao método etnográfico, investiguei os sentidos e significados das transformações territoriais na vida dos habitantes desta região, fornecendo uma perspectiva interdisciplinar para o estudo do tema proposto. Para desenvolver esta perspectiva analítica, apresento uma cartografia espaçotemporal das territorialidades com vista a revelar experiências urbanas atravessadas por várias formas de vulnerabilidades.</p> Ana Patrícia Barbosa , Ana Luiza Carvalho da Rocha Direitos de Autor (c) 2021 Todas as Artes https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://ojs.letras.up.pt/index.php/taa/article/view/10806 Mon, 13 Sep 2021 00:00:00 +0000 Summary https://ojs.letras.up.pt/index.php/taa/article/view/10818 <p>.</p> Todas as Artes Direitos de Autor (c) 2021 Todas as Artes https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://ojs.letras.up.pt/index.php/taa/article/view/10818 Tue, 14 Sep 2021 00:00:00 +0000 Capa https://ojs.letras.up.pt/index.php/taa/article/view/10793 <p>.</p> Todas as Artes Direitos de Autor (c) 2021 Todas as Artes https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://ojs.letras.up.pt/index.php/taa/article/view/10793 Mon, 13 Sep 2021 00:00:00 +0000 Parceristas 2020 https://ojs.letras.up.pt/index.php/taa/article/view/10811 <p>.</p> Todas as Artes Direitos de Autor (c) 2021 Todas as Artes https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 https://ojs.letras.up.pt/index.php/taa/article/view/10811 Mon, 13 Sep 2021 00:00:00 +0000