O Mundo (Im) Perfeito dos modelos de erosão

Autores

  • Cármen Ferreira

Resumo

No campo da gestão ambiental, a erosão hídrica do solo, porque provoca a degradação e perda de um recurso natural fundamental para o suporte da vida é, sem dúvida, uma das questões mais relevantes na gestão sustentável deste recurso natural.

As pesquisas sobre a perda de solos compreendem metodologias diversas que vão desde as simples constatações, quando um fenómeno se torna demasiado evidente, às avaliações com aplicação de modelos empíricos reconhecidos internacionalmente ou aos desenhos experimentais no terreno com utilização de parcelas experimentais.

Em Portugal efectuaram-se e continuam a efectuar-se vários estudos sobre esta temática, onde foram e são adoptadas diversas metodologias aplicadas a várias regiões do país. De modo geral, o propósito de um modelo é simplificar certa realidade para que ela possa ser analisada. Como os modelos são construídos para dar sentido ao mundo, é necessário que sejam validados.

Com este trabalho pretende-se apresentar e discutir os vários cenários de resposta dos solos à aplicação de diferentes equações para o cálculo da erosividade da precipitação no modelo EUPS/USLE (Equação Universal de Perdas de solo/Universal Soil Loss Equation), em comparação com os resultados obtidos por medições de campo em parcelas experimentais.

Referências

FOURNIER, F. (1960) – Climat et érosion, La relation entre l’érosion du sol par l’eau et les précipitations atmosphériques. Presses Universitaires de France, Paris.

HUDSON, N. (1995) – Soil Conservation. London, Batsford.

MORGAN, R. P. C. (1986) – Soil Erosion and Conservation. London, Longman Group Limited.

Artigo de Revista:

AFONSO, J; SERRA, C. A.; MARTINS, P.; FERREIRA DOS SANTOS (1999) – “Aplicação da Metodologia Corine para o cálculo do risco de erosão de solos às Bacias Hidrográficas dos Rios Mondego, Vouga e Lis com recurso a um SIG”, Revista da Associação Portuguesa dos Recursos Hídricos (APRH), Lisboa, Vol. 20, nº 1, pp. 3-18.

ARNOLDUS, H. M. J. (1977) – “Methodology used to determine the maximum potential average soil loss due to sheet and rill erosion in Marocco”, Assessing Soil Degradation, FAO Soils Bulletin, 34, 8-9.

BRANDÃO, C.; RODRIGUES, R.; MANUEL, T. (2006) – “Potencial erosivo da precipitação e o seu efeito em Portugal Continental”, Revista da Associação Portuguesa dos Recursos Hídricos (APRH), Lisboa, Vol. 27, nº 2, pp. 81-88.

CONSTANTINO, A. T.; COUTINHO, M. A. (2001) – “A erosão hídrica como factor limitante da Aptidão da Terra. Aplicação à Região de Entre-Douro e Minho”, Revista de Ciências Agrárias, vol XXIV, nº 3 e 4, Sociedade de Ciências Agrárias de Portugal, Lisboa.

COSTA, F. (2004) – “Contribuições para o conhecimento dos processos erosivos em Cabo Verde”, Lisboa, GeoINov, 9, Universidade Nova de Lisboa, p. 215-244.

COUTINHO, M. A.; ANTUNES, R. C.; TOMÁS, P. P.; LOUREIRO, S. N. (1994) – “Caracterização da Erosividade da Precipitação no Sul de Portugal”, Revista da Associação Portuguesa dos Recursos Hídricos (APRH), Lisboa, Vol. 15, nº 3, pp. 25-31.

COUTINHO, M. A.; TOMÁS, P. P. (1993) – Estudo do parâmetro de erosividade da equação universal de degradação de solos, publicação nº2/93, CEHIDRO – Centro de Estudos de Hidrossistemas, Instituto Superior Técnico, Lisboa.

FERREIRA, C. (1996/7) – “Erosão Hídrica em Solos Florestais. Estudo em povoamentos de Pinus pinaster e Eucalyptus globulus em Macieira de Alcôba – Águeda”, Porto, Revista da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, I Série, Vol. XII/XIII.

LOPES, P. M. S.; CORTEZ, N.; GOULÃO, J. N. P. (2001)- “Erosão hídrica em cambissolos da região da Beira Baixa. Algumas diferenças estatísticas entre anos secos e anos chuvosos relativamente aos factores C e K da USLE”, Lisboa, Revista de Ciências Agrárias, Vol. XXIV, nº 3 e 4, Sociedade de Ciências Agrárias de Portugal, p. 315 – 323.

TEIXEIRA, B. S.; ANDRADE, F. C. (1997) – “Quantificação da erosão hídrica em Portugal Continental”, Revista da Associação Portuguesa dos Recursos Hídricos (APRH), Lisboa, Vol. 18, nº 1, pp. 25-43.

TOMÁS, P. P.; AZEVEDO COUTINHO, M. (1994) – “Estudo da Erosão Hídrica em solos agrícolas. Comparação da perda de solos observada e calculada pela Equação Universal de Perdas de Solo”, Revista da Associação Portuguesa dos Recursos Hídricos (APRH), Lisboa, Vol. 15, nº 3, pp. 3-17.

WISCHMEIER, W. H.; SMITH, D. D. (1978) – “Predicting rainfall erosion losses – a guide to conservation planning”, Washington: USDA, Agriculture Handbook nº 537.

WISCHMEIER, W. H.; SMITH, D. D.; UHLAND R. E. (1958) – “Evaluation of Factors in the Soil-Loss Equation”, Agricultural Engineering, 39, 8, USA.

Endereços Eletrónicos:

BRANDÃO, C.; RODRIGUES, R.; PINTO DA COSTA, J (s/d) – Efeito Erosivo das Precipitações. Determinação do factor de erosividade da precipitação (R), segundo Wischmeier & Smith (1978). Mapa de isoerodentes da precipitação (R) para Portugal Continental, consulta em www.inag.pt.

Relatórios/Projetos:

NAER, Novo Aeroporto, SA; PARSONS, FCG Consortium (2004) – Estudo Hidrológico e Hidráulico do Novo Aeroporto na Ota, Etapa B, Estudo Prévio, Modelação Hidráulica e Infra-estruturas, Memória descritiva e justificativa, Relatório Final, Lisboa.

TOMÁS, P. P. (1993) – Erosão Hídrica do Solo em pequenas bacias hidrográficas. Aplicação da Equação Universal das Perdas de Solo, Lisboa, polic.

Downloads