A Propósito do Fundo

do uso coloquial à pedra angular da Arquivística custodial e patrimonialista

Autores

  • Lucia Helena Miranda Corrêa Universidade Federal do Espírito Santos (UFES)
  • Armando Malheiro da Silva Universidade do Porto - Faculdade de Letras / CITCEM

Palavras-chave:

Arquivo - visão custodial; Arquivo - visão pós-custodial; Fundo - linguagem coloquial; Fundo - visão custodial; Fundo - visão pós-custodial; Fundo de Arquivo - visão custodial.

Resumo

O artigo estabelece as coincidências existentes entre a narrativa do romance de José Saramago intitulado Todos os Nomes (1997) e as ações adotadas por Natalis de Wailly em 1841 a mando de Napoleão Bonaparte, então Imperador da França, no sentido de criar um arcabouço operativo para organizar o acervo dos Arquivos Nacionais desse país, o qual havia sido desmantelado para atender a governança de Bonaparte. O objetivo geral deste artigo consiste em analisar as peculiaridades do vocábulo ‘fundo’ usado nesse livro de Saramago e do termo técnico Fundo criado por Natalis de Wailly. Especificamente, pretende-se abordar o caráter multifuncional do vocábulo fundo coloquialmente usado em Todos os Nomes (1997) e a sua transformação em estratagema técnico e operativo por Natalis de Wailly em 1841; destacar as confusões conceituais entre Fundo, Fundo de Arquivo e Arquivo presentes na Arquivística custodial e mostrar as relações entre a postura do Senhor José (personagem fictício da trama de Saramago) e a postura de Natalis de Wailly (personagem real da França oitocentista) com relação à forma como ambos, cada um em seu contexto espacial/temporal, corporificam a máxima “Conheces o nome que te deram, não conheces o nome que tens”.

Referências

ARQUIVO PÚBLICO DO PARANÁ, Brasil 1996 Glossário. [Em linha]. 1996. [Consult. 1 out. 2018]. Disponível em: http://www.arquivopublico.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=24.

ASSOCIAÇÃO DOS ARQUIVISTAS HOLANDESES 1973 Manual de arranjo e descrição de Arquivos. Tradução de Manoel Adolpho Wanderley. 2ª ed. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1973.

BELLOTTO, Heloisa Liberalli 2004 Arquivos permanentes: tratamento documental. 2ª ed. rev. e ampl. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2004.

BRASIL. Arquivo Nacional 2005 Dicionário brasileiro de terminologia arquivística. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 2005.

DICIONÁRIO ELECTRÓNICO DE TERMOS ARQUIVÍSTICOS 2008 Dicionário electrônico de termos arquivísticos. [Em linha]. Vitória: Universidade do Espírito Santo, 2008. [Consult. 13 fev. 2019]. Disponível em: https://paginas.fe.up.pt/~lci/index.php/1773.

DICIONÁRIO INFORMAL 2010 Berlinda: verbete. In Dicionário Informal. [Em linha]. 2010. [Consult. 25 set. 2018]. Disponível em: https://www.dicionarioinformal.com.br/significado/berlinda/4733/.

DICIONÁRIO PRIBERAM DA LÍNGUA PORTUGUESA 2014 Fundo: verbete. In Dicionário Priberam da língua portuguesa. [Em linha]. 2014. [Consult. 19 fev. 2019]. Disponível em: http://www.priberam.pt/dlpo/fundo.

MORAIS, Cláudia Santos Pires 2013 Estudo orgânico-funcional e tratamento arquivístico dos concursos para obtenção do diploma de arquiteto realizados na Escola de Belas Artes do Porto: utilização do software ICA-AtoM. Porto, 2013. Dissertação de Mestrado em Ciência da Informação Universidade do Porto - Faculdade de Engenharia e Faculdade de Letras.

PAES, Marilena Leite 1986 Arquivo: teoria e prática. Rio de Janeiro: Fundação etúlio Vargas, 1986.

PINTO, Tales dos Santos Calendário da Revolução Francesa: Brasil Escola. Disponível em: <https://brasilescola.uol.com.br/historiag/calendario-revolucao-francesa.htm>. Acesso em 30 de abril de 2019.

RAMALHO, Fabiana 2017 A arte imita a vida ou a vida imita a arte? Jusbrasil, 2017. Disponível em: https://fabiramalho.jusbrasil.com.br/artigos/485883433/a-arte-imita-a-vida-ou-a-vida-imita-a-arte>. Acesso em: 27 set. 2018

RIBEIRO, Fernanda 2011 A Arquivística como disciplina aplicada no campo da Ciência da Informação. Perspectivas em Gestão & Conhecimento. [Em linha]. 1:1 (jan./jun. 2011) 59-73. [Consult. 24 jan. 2017]. Disponível em: http://www.periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/pgc/article/view/9887/5619.

RONDINELLI, Rosely Curi 2011 O Conceito de documento arquivístico frente à realidade digital: uma revisitação necessária. 2011.

ROUSSEAU, Jean-Yves e COUTURE, Carol 1998 Os Fundamentos da disciplina arquivística. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1998.

SARAMAGO, José 1997 Todos os nomes. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

SCHELLENBEG, T. R. 2005 Arquivos modernos: princípios e técnicas. 5ª ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2005.

SILVA, Armando Malheiro da 2006 A Informação: da compreensão do fenómeno e construção do objeto científico. Porto: Edições Afrontamento, 2006.

SILVA, Armando Malheiro da [et al.] 1999 Arquivística: teoria e prática de uma ciência da informação. Porto: Edições Afrontamento, 1999.

TOGNOLI, Natália Bolfarini 2010 A Contribuição epistemológica canadense para a construção da arquivística contemporânea. Marília, 2010. Dissertação de Mestrado em Ciência da Informação – Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” - Faculdade de Filosofia e Ciências.

WIKIPEDIA 2018 Calendário revolucionário francês: verbete. 2018. [Em linha]. 2018. [Consult. 3 out. 2028]. Disponível em: https://pt.wikipedia.org/wiki/Calend%C3%A1rio_revolucion%C3%A1rio_franc-%C3%AAs.

Downloads

Publicado

2021-08-12

Edição

Secção

Artigos