Dançar o Zen

Aprendizado e poéticas de um processo

Autores

  • Andrea Copeliovitch

Resumo

Este artigo discorre sobre um processo experimental que relaciona zen budismo, Antonin Artaud,
Jerzy Grotowski e as danças brasileiras (bumba-meu-boi, cavalo marinho e coco) revistas a partir do
estudo de um corpo simbólico proposto por Graziela Rodrigues - tendo como exemplo a coreografia O
Touro e o Vazio, baseada no conto budista, O Monge e o Touro (da Monja Coen Roshi e de Fernando
Zenshô Figueiredo). A coreografia é atravessada por elementos de ritos zen budistas, estética de anime
japonês e danças oriundas do norte e nordeste brasileiros organizadas a partir de técnicas do teatro, onde
o impulso em direção à ação física é o ponto de partida da partitura. Esse encontro de técnicas e de
aprendizados traduz a história do corpo que dança. A bailarina, a praticante zen budista e o touro se
encontram no movimento circular da poiesis, sempre em busca de um acontecer poético.

Downloads

Publicado

2021-08-09

Edição

Secção

Artigos