Convergência e hipermodernidade: emerge a TV do ego

Luís Miguel Loureiro

Resumo


O advento do egocasting devolve, uma vez mais, a Televisão ao centro do questionamento científico. De que forma estão as recentes manifestações, potenciadas pela chamada web social – de produção, difusão e consumo de conteúdos multimédia, centradas num indivíduo que se relaciona com o mundo através de um imaginário egocentrado e hedonístico –, a abanar os alicerces da arquitectura televisiva clássica? De que modo está, enfim, a reagir o dispositivo tradicional, cuja emissão se organiza num fluxo temporal contínuo, para responder ao desafio que a sociedade hipermoderna lhe coloca? Fará sentido falar numa nova era pós-televisiva? Neste trabalho, efectuado no âmbito da nossa investigação de Doutoramento, procuramos justificar os fundamentos de uma proposta que, não ignorando o importante papel da tecnologia, recusa, à partida, a quase inevitabilidade do cenário desenhado pelas teses deterministas que condenam a Televisão a uma existência meramente alinhada pelo eixo da promessa contemporânea de interactividade. Pensamos que essa tarefa passa, antes de mais, por tentar perceber como evoluiu a Televisão no seu pouco mais de meio século de existência e como o actual movimento convergente dos media, suportado na cultura de egocasting, a está a reconfigurar. Propomos como solução interpretativa o conceito de TV do ego, baseado, em parte nos conceitos de hipertelevisão e na discussão teórica da pós-televisão, e tentamos estabelecer um questionamento sobre as mudanças que se operam nas estruturas produtivas do grande dispositivo televisivo, nomeadamente, numa das forças motrizes essenciais da Televisão generalista: a redacção de notícias.

Texto Completo:

PDF

Apontadores

  • Não há apontadores.




Copyright © 2005 | CIC.DIGITAL-Porto | PRISMA.COM | ISSN 1646-3153  | DOI 10.21747/16463153 | Contacto: prisma.com@letras.up.pt 

 

  

Lista da Revistas