Panorama das startups no setor turístico brasileiro

Autores

  • Maraiza Santana dos Santos Universidade Federal de Sergipe-UFS/Programa de Pós-graduação em Ciências da Propriedade Intelectual-PPGPI http://orcid.org/0000-0001-7778-6978
  • Francisco Sandro Rodrigues Holanda Universidade Federal de Sergipe-UFS/Programa de Pós-graduação em Ciências da Propriedade Intelectual-PPGPI http://orcid.org/0000-0003-3575-8105
  • Luiz Diego Vidal Santos Universidade Federal de Sergipe-UFS/Programa de Pós-graduação em Ciências da Propriedade Intelectual-PPGPI http://orcid.org/0000-0001-8659-8557
  • Matheus Pereira Mattos Felizola Universidade Federal de Sergipe-UFS
  • Márcio Manini da Silva Florencio Universidade Estadual Vale do Acaraú, Universidade Federal de Sergipe http://orcid.org/0000-0001-5557-4181

Resumo

A presente pesquisa teve como objetivo apresentar o panorama das startups no setor de turismo cadastradas na base de dados - StartupBase. Nessa base encontram- se startups no roteiro de dados, havendo também no país ainda startups pré-aceleradas incubadas dentro de instituições ou empresas de fomento, ainda em sua fase inicial. Outras Startups surgem a partir de iniciativas individualizadas e acabam não sendo computadas na análise da StartupBase. Assim, nesse estudo é apresentado um cenário de dados de startups no Brasil se mostrando nas seguintes fases: fora de operação, tração, ideação e scale up que identificam as inovações e tecnologias desenvolvidas. Observou-se maior número de startups no estado de São Paulo com 65 e entre os 10 estados levantados. Outro indicador de destaque nas categorias identificadas, é que a SEBRAE Capital Empreendedor e a Troposlab possuem um número maior com 5 startups e que no segmento de Eventos e Turismo observou-se 218 startups cadastradas, com somente 24 destas possuindo o selo da badges, que são emblemas digitais que representam simbolicamente através de nomenclaturas, competências e realizações das startups. Todos esses aspectos envolvem a discussão sobre a importância das startups para a economia no país, especificamente no setor de turismo, sendo a criação de startups importante para a o aumento de pesquisas, conhecimentos, oportunidades para a geração de emprego e principalmente para o enfrentamento da competitividade no mercado.

Palavras-chave: Tecnologia; turismo, StartupBase.

Biografias Autor

Francisco Sandro Rodrigues Holanda, Universidade Federal de Sergipe-UFS/Programa de Pós-graduação em Ciências da Propriedade Intelectual-PPGPI

Possui graduação em Engenharia Agronômica pela Universidade Federal do Ceará (1985), mestrado em Agronomia (Fitotecnia) pela Universidade Federal de Lavras (1992) e doutorado em Agronomia pela Universidade Federal de Lavras (1996)/Purdue University e Pós-Doutorado pela Universidade de Wisconsin (EUA). Atualmente é professor Titular da Universidade Federal de Sergipe, Coordenador do Laboratório de Erosão e Sedimentação - LABES e lider do Grupo de Pesquisa em Gestão Hidroambiental do Baixo São Francisco. Tem experiência na área de Engenharia de Água e Solo, com ênfase em Conservação de Solo e Água, atuando principalmente nos seguintes temas: Bioengenharia de solos, demais técnicas de controle de erosão e Empreendedorismo AGRO Sustentável. (Texto informado pelo autor)

 

Luiz Diego Vidal Santos, Universidade Federal de Sergipe-UFS/Programa de Pós-graduação em Ciências da Propriedade Intelectual-PPGPI

Mestrando em Ciências da Propriedade Intelectual-PPGPI/Universidade Federal de Sergipe-UFS

Matheus Pereira Mattos Felizola, Universidade Federal de Sergipe-UFS

Publicitário e Administrador. Doutor em Ciências Sociais -UFRN. Pós-doutor em Comunicação e Informação- UFRGS. Professor do Programa de Pós-Graduação em Comunicação - PPGCOM e do Mestrado Profissional em Ciência da Informação - PPGCI ambos da UFS- Universidade Federal de Sergipe. Professor Associado III do curso de Publicidade e Propaganda da UFS. Líder do Grupo de Pesquisa em Empreendedorismo e Inovação e Vice-líder do grupo de pesquisa em Marketing da UFS . Mentor do Centro de Empreendedorismo da UFS. Coordenador do Projeto Universal 2019-2022 "As estratégias de marketing e comunicação no contexto da cultura da convergência midiática. Os jovens Microempreendedores Individuais da Região Geográfica Imediata de Propriá - SE" e Coordenador da Instituição Associada 2 do PROCAD UFS/UFRGS/UFPA 2015-2020 no projeto "Jovem e Consumo Midiático em Tempos de Convergência" com experiência na gestão de projetos aprovados pelo CNPQ, Capes e Fapitec . Participação em mentorias, consultorias e bancas julgadoras em eventos de inovação, empreendedorismo e avaliação de Startups. Atuando principalmente nas seguintes linhas de pesquisa: (i) Empreendedorismo, (ii) Ecossistemas de Inovação (iii) Marketing (iv) Consumo midiático e (v) Produção, Organização e Comunicação da Informação.

 

Márcio Manini da Silva Florencio, Universidade Estadual Vale do Acaraú, Universidade Federal de Sergipe

Doutorando em Ciência da Propriedade Intelectual pela Universidade Federal de Sergipe - UFS. Mestre em Ciência da Propriedade Intelectual pela Universidade Federal de Sergipe - UFS (2018). Graduado em Administração pela Universidade Estadual Vale do Acaraú - UVA (2016). Tem experiência nas áreas de Administração e Propriedade Intelectual, atuando principalmente nos seguintes temas: bibliométrica, análise de redes sociais, gestão da inovação, análise de patentes, indicadores de C,T&I e finanças.

 

Downloads

Publicado

2021-02-11

Edição

Secção

Artigos