Evocações históricas do liberalismo em Raul Brandão.

Autores

Resumo

Resumo

O objetivo deste artigo, em contexto de centenários comemorativos, consiste em refletir, cruzando estudos históricos e literários, sobre a singularidade que trazem para o discurso historiográfico contemporâneo do liberalismo português, os trabalhos de matriz histórica e modernidade do escritor Raul Brandão, intelectual de transição e rutura no entre-séculos, os quais continuam a interpelar-nos. Incide na análise interdisciplinar de um corpus brandoniano de componente histórica e grande rigor documental: El - rei Junot; 1817-Gomes Freire de Andrade; e Prefácio e Notas a O Cerco do Porto, três obras publicadas entre 1912 e 1915, fase de maturidade literária e cívica do autor. Estes trabalhos envolvem eventos político-militares de profundo sentir social fundadores da construção do liberalismo nacional, processo histórico conturbado de afirmação das liberdades. O corpus analisado comprova de maneira rigorosa e detalhada, a ideia inovadora da escrita e mundivisão histórica do escritor do Porto, constituindo um bom contributo para o estudo da obra de Raul Brandão e do próprio liberalismo.

Palavras-chave: Raul Brandão; liberalismo português; história-literatura; interdisciplinaridade; séculos XIX – XX.

Biografia Autor

Otília Lage, CITCEM Universidade Lusófona do Porto

Nota Biográfica

Maria Otília Pereira Lage

Investigadora Integrada do CITCEM-FLUP (Unidade I&D Centro de Investigação Transdisciplinar Cultura, Espaço e Memória, na Faculdade de Letras da Universidade do Porto), membro da Direção do CEPHIS (Centro de Estudos e Promoção da Investigação Histórica e Social Trás-os-Montes Alto Douro), do Conselho Editorial da sua Revista e Associações Profissionais e Científicas. Licenciatura em História, Mestrado em Demografia histórica e História das Populações, Doutoramento em História Moderna e Contemporânea, Pós-doutoramento em Estudos Sociais e Históricos, Pós-graduação em Ciências Documentais e Especialização em Administração Escolar.

Docente do Ensino Secundário, Superior e Universitário, autora, co-autora, org. e coord. de livros, artigos, ensaios, conferências, projetos nacionais, europeus e internacionais nas áreas de sua formação e especialidade em História Moderna e Contemporânea, Ciências da Informação e Educação e estudos transdisciplinares sobre Jorge de Sena, Mécia de Sena e Raul Brandão, na fronteira História-Literatura.

Referências

AA. VV. (2000). Ao Encontro de Raul Brandão (Actas do Colóquio), Centro Regional do Porto/ Universidade Católica Portuguesa/Lello Editores.

A.A.VV. (2018) Raul Brandão, 150 anos. Colóquio Internacional em Homenagem a Raul Brandão nos 150 anos do seu Nascimento e no Centenário de Húmu. Porto: Câmara Municipal do Porto.

ALVES, Jorge Fernandes (2010). História do Porto A cidade liberal Da revolução à estabilização do regime. Matosinhos: Quidnovi, p. 43-59.

ANDRADE, João Pedro de (1963). Raul Brandão, a obra e o homem. Lisboa: Arcádia

BENJAMIN, Walter (1987) – Obras escolhidas. Magia e técnica, arte e política. Ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, Vol 1., p. 222-232.

BRANDÃO, Raul (Prefácio e notas) (1915). O Cerco do Porto contado por uma testemunha, o coronel Owen. Porto: Renascença Portuguesa.

___________________ (1917). 1817-Conspiraçao de Gomes Freire de Andrade. Porto: Renascença Portuguesa.

________________ (1974). El-Rei Junot. Coimbra: Atlântida.

________________ (2017). O sangue In Memórias, Lisboa: Quetzal Editores, Vol. III -Vale de Josafat.

CANTINHO, Maria João (2017). O messianismo ou a história como dissidência na obra de Walter Benjamin. “Práticas da História, Journal on Theory, Historiography and Uses of the Past”, nº 5, p. 115-132.

CASTILHO, Guilherme de (2006). Vida e Obra de Raul Brandão. Lisboa: INCM

CELAN, Paul (1980). Poemas. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.

COELHO, Jacinto do Prado (1996). O Húmus de Raul Brandão, uma obra de hoje. In:. “A Letra e o Leitor”. 3. ed. Porto: Lello & Irmão Editores, p. 295-301.

COSTA, António José Pereira da (2017a). A Conspiração de 1817.Uma investigação completa “Revista de Guimarães”, vol. 126/127, 2016-2107, p. 249-281.

___________________________ (2017b). “O cadete Raul Brandão”. Revista de Guimarães, vol.126/127, 2016-2017, p.119-158.

DERRIDA, Jacques (1994).Spectres de Marx: L'État de la dette, le travail du deuil et la nouvelle Internationale. Paris: Galilée.

DERRIDA, Jacques (1967). Dela Grammatalogie. Paris: Minuit

GASTON, Sean (2018). Jacques Derrida and the challenge of history. London & New York: Rowman Littlefield Int. (Ebook, 2019)

LAGE, Maria Otilia Pereira (2019).O Cerco do Porto contado por uma testemunha: o coronel Owen. Evocação e matéria histórica em Raul Brandão. “Revista de Guimarães”, Vol. 129, pp. 83-103

LAGE, Maria Otília Pereira (2018). Durante a Guerra,”Memórias” de Raul Brandão: a participação de Portugal na Grande Guerra (1914-1918). Aproximação a uma alegorização da história. In MOREIRA F., RIBEIRO, O. e PIMENTA, Susana, Coord. Portugal na (e no tempo) da Grande Guerra. Vila Real: UTAD, p.148-162.

______________________ (2019). O Douro e o Pico de Raul Brandão: Aproximação dialógica. In PEREIRA, G. Martins, AMORIM, M. Norberta, LAGE, M. Otilia Pereira, Coord. Douro e Pico, Paisagens Culturais Património Mundial. Porto: CITCEM, p. 165-183. Consulta 4/12/2019. Disponivel https://ler.letras.up.pt/uploads/ficheiros/17803.pdf.

_______________________(2020). “Pela liberdade. No dealbar da Revolução liberal de 1820. Gomes Freire de Andrade”. Público, 18 de agosto. 200 anos da Revolução de 1820.

LE GOFF, J. (2001). Cinq personnages d’hier pour aujourd’hui. Bouddha, Abélard, Saint François, Michelet, Bloch. Paris: La Fabrique éditions.

MACHADO, Álvaro Manuel (1984): Raul Brandão entre o romantismo e o modernismo. Lisboa: Instituto de Cultura e Língua Portuguesa, Ministério da Educação.

MARINHO, Maria de Fátima (2003). El-rei Junot e Vida e Morte de Gomes Freire de Raul Brandão. “Revista da Faculdade de Letras, Línguas e Literaturas”. Porto, XX, 1, 2003, p.91-103.

MARQUES, A. H. de Oliveira (1996). Breve História de Portugal. Lisboa: Ed. Presença.

MOURÃO-FERREIRA, David (1969). Tópicos de crítica e de História literária. Lisboa: União Gráfica

PEREIRA, Miriam Halpern (2018). Memória e História. De traidores a mártires da Pátria. O processo político de 1817”. In PEREIRA, M. H., ARAÚJO, A. Cristina (Coord.). Gomes Freire e as vésperas da Revolução de 1820. Lisboa: BNP.

PEREIRA, José Carlos Seabra, Pref. (1998,1999). Memórias Raul Brandão, Lisboa: Relógio d' Água. Vol. I, II, III.

PIERINI, Márcia T. Secchi (2014). Notas sobre o percurso recetivo da obra de Raul Brandão.”Acta Scientiarum Language and Culture” 36 (1):11.

PORTELA, Octávio Rios (2012a). Raul Brandão e a Tentação histórica:Para uma leitura de El-Rei Junot. “Via Atlântica”, São Paulo, nº 21, Jul., p.101-118.

_____________________(2012b). De Trapeiros e Vencidos: efabulação e história em Raúl Brandão. (Tese de doutoramento) Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro.

____________________, Org. (2014): Raul Brandão: Um intelectual no entre-séculos (Estudos para Luci Ruas). Rio de Janeiro: Letra Capital.

REYNAUD, Maria João, (2008), Raul Brandão [1867-1930]. In Modernismo: Arquivo virtual da geração de Orpheu. IELT-FCSH, Universidade Nova de Lisboa [Consulta em 4/6/2019, Consulta em 10/3/2016. Disponível em https://modernismo.pt/index.php/r/739-raul-brandao.

_____________________ (2000): Metamorfoses da escrita: Húmus de Raúl Brandão. Porto: Campo das Letras.

RICOEUR, Paul (1990). Do texto à acção: ensaios de hermenêutica. Porto: Editora Rés.

RICOEUR; Paul (2000). La memoire, l´histoire, l’oubli. Paris:Seuil

RODRIGUES, Ernesto (2013). Raul Brandão entre jornais. “Delphica: Letras &Artes”, nº 1, p.137-146

ROSAS, Vasco (Org.) (2013). A Pedra ainda espera dar Flor. Dispersos. Lisboa, Quetzal.

SAMPAYO Nuno de (1969). “’Os Pescadores’ de Raul Brandão: alguns traços estilísticos”. Panorama revista portuguesa de Arte e Turismo. 4 s. (30), junho.

SARAIVA, António José, LOPES, Óscar (1978). História da literatura portuguesa, 10ª ed., Porto: Porto Editora.

SILVA, F. Ribeiro da (2010). O cerco do porto em 1832 para 1832 por um portuense. Porto: Typ. Faria & Silva, 1840. Reprodução fac-simile, com texto introdutório de Francisco Ribeiro da Silva. U. Porto Edições.

SILVA, Rodrigo Otávio da (2019). A desconstrução entre os historiadores: temos algo a aprender com Derrida? “Intelligere - Revista de História intelectual”, nº 8, dez., p.163-193. Consulta em 20/9/2020. Disponível em http://revistas.usp.br/revistaintelligere.

Downloads

Publicado

2021-01-14

Como Citar

Lage, O. (2021). Evocações históricas do liberalismo em Raul Brandão. História: Revista Da Faculdade De Letras Da Universidade Do Porto, 10(2). Obtido de https://ojs.letras.up.pt/index.php/historia/article/view/10237

Edição

Secção

Dossier temático