Da afirmação de uma «questão urbana» à produção das primeiras respostas urbanísticas do Estado: crise sanitária, movimento higienista e estruturação do campo burocrático perspetivadas a partir do Porto

Autores

  • João Queirós Escola Superior de Educação do Politécnico do Porto e Instituto de Sociologia da Universidade do Porto

Resumo

O presente artigo explora os antecedentes e condições de afirmação e consolidação do papel do Estado no domínio do urbanismo no final do século XIX e início do século XX, tomando como referência e ilustração o caso da cidade do Porto. A crise sanitária decorrente do surto de peste bubónica registado na cidade em 1899 é o mote para uma reflexão sobre a relevância do movimento higienista na produção e disseminação de uma nova forma de perspetivar a intervenção urbanística e habitacional do Estado na cidade e no processo de estruturação do campo burocrático português e portuense que naquele momento histórico se observará.

Referências

ALVES, J, J. (1988). O Porto na Época dos Almadas. Porto: CMP.

ALVES, J. F. (1993). Os «Brasileiros». Emigração e retorno no Porto Oitocentista. Porto: Gráficos Reunidos.

ALVES, J. F. (Coord.) (1998). A Indústria Portuense em Perspectiva Histórica – Actas do Colóquio. Porto: Centro Leonardo Coimbra/FLUP.

ALVES, J. F. (Ed.) (1999). Os «Brasileiros» da Emigração. Actas do colóquio realizado no Museu Bernardino Machado. Vila Nova de Famalicão: Museu Bernardino Machado/CMVNF.

ALVES, J. F. (2005). Emigração e sanitarismo – Porto e Brasil no século XIX. Ler História, n.º 48, pp. 141-156.

ALVES, J. F. (2008). Ricardo Jorge e a Saúde Pública em Portugal. Um «Apostolado Sanitário». Arquivos de Medicina, vol. 22, n.º 2-3, pp. 85-90.

ANTAS, Á. (1902). Insalubridade do Porto. Porto: Comércio do Porto.

BOURDELAIS, P. (Dir.) (2001). Les Hygiénistes: enjeux, modèles, pratiques. Paris: Belin.

BOURDIEU, P. (2001). Espíritos de Estado. Génese e estrutura do campo burocrático. In P. BOURDIEU. Razões Práticas. Sobre a Teoria da Acção (pp. 67-101). Oeiras: Celta Editora.

CALLABI, D. (1984). Les premiers urbanistes en Grande-Bretagne. La naissance du town planning. Annales de la Recherche Urbaine, n.º 21, pp. 45-65.

CÂMARA MUNICIPAL DO PORTO [CMP] (2000). As Ilhas, as Colónias Operárias e os Bairros de Casas Económicas. Porto: CMP.

CHANTAL, S. (1965). A Vida Quotidiana de Portugal ao tempo do Terramoto de 1755. Lisboa: Livros do Brasil.

CLAUDE, V. (1989). Sanitary engineering as a path to town-planning: the singular role of the Association générale des hygiénistes et techniciens municipaux in France and the French-speaking countries, 1900-1920. Planning Perspectives, n.º 4, pp. 153-166.

CLAUDE, V. (2006). Faire la Ville. Les métiers de l’urbanisme au XXe siècle. Marselha: Éditions Parenthèses.

COSME, J. (2006). As preocupações higio-sanitárias em Portugal (2.ª metade do século XIX e princípio do século XX). História – Revista da Faculdade de Letras do Porto, III série, vol. 7, pp. 181-195.

EVANGELISTA, J. (1971). Um Século de População Portuguesa (1864-1960). Lisboa: Centro de Estudos Demográficos/INE.

FERNANDES, P. (1996). A cidade do Porto na 1.ª metade do século XIX: população e urbanismo. População e Sociedade, n.º 2, pp. 229-245.

FERRÃO, B. (1997). Projecto e Transformação Urbana do Porto na Época dos Almadas, 1758-1813: Uma contribuição para o estudo da cidade pombalina. Porto: FAUP (3.ª Ed.).

FRANÇA, J.-A. (1976). A Reconstrução de Lisboa e a Arquitectura Pombalina. Lisboa: Instituto da Cultura e Língua Portuguesa.

FRANÇA, J.-A. (1983). Lisboa Pombalina e o Iluminismo. Lisboa: Bertrand (3.ª Ed.).

INE–PORTUGAL (1971). A Cidade do Porto: Súmula Estatística 1864-1968. Lisboa: INE.

JORGE, R. (2010 [1899]). A Peste Bubónica no Porto. Porto: Deriva Editores.

LÔBO, M. S. (1995). Planos de Urbanização. A Época de Duarte Pacheco. Porto: DGOTDU/FAUP.

MANDROUX-FRANÇA, M.-T. (1984). Quatro fases da urbanização do Porto no século XVIII. Boletim Cultural – Câmara Municipal do Porto, n.º 2, pp. 239-274.

MARQUES, A. H. de O. (1998). História de Portugal – Volume III. Das revoluções liberais aos nossos dias. Lisboa: Editorial Presença.

MONCAN, P.; MAHOUT, C. (1991). Le Paris du Baron Haussmann. Paris sous le Second Empire. Paris: Éditions SEESAM-RCI.

MONTEIRO, B. (2010). Os anos portuenses de Ricardo Jorge. Sociologia de um higienista «militante». In R. JORGE. A Peste Bubónica no Porto (pp. 15-52). Porto: Deriva Editores.

NONELL, A. G. (2002). Porto 1763/1852: A construção da cidade entre despotismo e liberalismo. Porto: FAUP.

PEREIRA, G. M. (1995). Famílias Portuenses na Viragem do Século (1880-1910). Porto: Afrontamento.

PEREIRA, G. M.; SERÉN, M. do C. (1995). O Porto Oitocentista. In L. de O. RAMOS (Dir.). História do Porto (pp. 376-521). Porto: Porto Editora.

PEREIRA, V. B. (2016). A Habitação Social na Transformação da Cidade. Porto: Afrontamento.

PEREIRA, V. B.; QUEIRÓS, J. (2012). State, housing and the «social question» in the city of Porto (1956-2006): an analysis on the making of doxa, orthodoxy and «alodoxia effects» in the (re)production of state housing policies. Social Sciences – Annual Trilingual Review of Social Research, n.º 1, pp. 203-314.

PINKNEY, D. H. (1972). Napoleon III and the Rebuilding of Paris. Princeton, NJ: Princeton University Press.

PINTO, J. R. (2005). O Porto Oriental no Final do Século XIX. Crescimento e transformação urbana. Porto: FLUP (dissertação de mestrado).

RAMOS, R. J. G.; PEREIRA, V. B.; ROCHA, M.; SILVA, S. D. da (Eds.) (2019). Contexto Programa Projeto: Arquitetura e Políticas Públicas de Habitação. Porto: FAUP/Mapa da Habitação.

RODRIGUES, T. (1993). A dinâmica populacional da cidade do Porto em finais do século XIX. História – Revista da Faculdade de Letras do Porto, n.º 10, pp. 301-316.

RONCAYOLO, M. (2002). Lectures de Villes. Formes et temps. Marselha: Éditions Parenthèses.

ROSAS, F. (2010). A crise do liberalismo oligárquico em Portugal. In F. ROSAS; M. F. ROLLO (Coord.). História da Primeira República Portuguesa (pp. 15-26). Lisboa: Tinta-da-China.

SUTCLIFFE, A. (1981). Towards the Planned City: Germany, Britain, the United States, and France, 1780-1914. Oxford: Blackwell.

TEIXEIRA, M. C. (1996). Habitação Popular na Cidade Oitocentista. As ilhas do Porto. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian/JNICT.

TOPALOV, C. (1989). Urbanisme comme mouvement social: militants et professionnels du city planning aux États-Unis (1909-1917). Annales de la Recherche Urbaine, n.º 44-45, pp. 139-154.

WEBER, M. (2001). Tipos de dominação. In M. B. da CRUZ (Org.). Teorias Sociológicas. I Vol. – Os fundadores e os clássicos (antologia de textos) (pp. 681-723). Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Downloads

Publicado

2021-01-14

Como Citar

Queirós, J. (2021). Da afirmação de uma «questão urbana» à produção das primeiras respostas urbanísticas do Estado: crise sanitária, movimento higienista e estruturação do campo burocrático perspetivadas a partir do Porto. História: Revista Da Faculdade De Letras Da Universidade Do Porto, 10(2). Obtido de https://ojs.letras.up.pt/index.php/historia/article/view/7908

Edição

Secção

Outros estudos