A construção marcadora discursiva de visualização virtual e seu estatuto categorial

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21747/21833958/red11a10

Palavras-chave:

Marcador discursivo, Categoria pragmática, Construção gramatical

Resumo

A tese de que, na língua portuguesa, há um esquema construcional convencionalizado a  partir  de  verbos  visuais,  olhar  e  ver,  altamente  metaforizados,  acompanhados  ou  não  de  uma  segunda  subparte,  responsável  por  gerenciar  sentidos  que  articulam  funções  no  âmbito  da  marcação discursiva (Sambrana, 2021), embasa o postulado de que a construção marcadora discursiva de visualização virtual configura-se como o esquema que aglomera tais elementos. Esse esquema licencia construções que atuam em contextos de uso que articulam sentidos mais procedurais, criados  a  partir  da  manipulação  do  espaço  atencional,  como,  por  exemplo,  olha...eu  pensei  que  fosse  morrer ou Vê lá, Júlia, o artigo é pra hoje, entre outros. Tais sentidos mais procedurais derivam de estratégias de regulação da interação, articuladas entre os falantes, e modeladas por seus objetivos sociocomunicativos. Por essa caracterização funcional, admitimos que esses elementos compõem parte  da  categoria  de  marcadores  discursivos.  Como  capacidade  de  armazenamento  na  memória  dos falantes (Bybee, 2010 & Traugott; Trousdale, 2013), a construção marcadora discursiva de visualização virtual passa a se configurar como esquema [Vvisual (Xafixoide)]MDVV.

Referências

Bergs, A. & Diewald, G. (2009). Contexts and constructions. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins publishing Company.

Booij, G. (2007). The grammar of words: an introduction to morphology. Oxford: Oxford University Press.

Bybee, J. (2003). Mechanisms of change in grammaticization: the role of frequency. A handbook of historical linguistics. United Kingdom: Blackweel Publishing.

Bybee, J. (2010). Language, usage and cognition. New York: Cambridge University Press.

Bybee, J. (2015). Language change. Cambridge: Cambridge University Press.

Castilho, A. T. de. (2014). Nova gramática do português brasileiro. São Paulo: Contexto.

Croft, W. (2001). Radical construction grammar: syntactic theory in typological perspective. Oxford: Oxford University Press.

Cunha Lacerda, P. F. (2016). O papel do método misto na análise de processos de mudança em uma abordagem construcional: reflexões e propostas. Revista Linguística, 12, 83-101. https://revistas.ufrj.br/index.php/rl/article/view/5440.

Furtado da Cunha, M. A. & Bispo, E. B. (2013). Pressupostos teórico-metodológicos e categorias analíticas da Linguística Funcional Centrada no Uso. Revista do GELNE, 15, 53-78. https://www.researchgate.net/publication/341577024_Pressupostos_teorico-metodologicos_e_categorias_analiticas_da_Linguistica_Funcional_Centrada_no_Uso.

Furtado da Cunha, M. A. & Bispo, E. & Silva, J. R. (2013). Linguística funcional centrada no uso: conceitos básicos e categorias analíticas. Linguística centrada no uso. Rio de Janeiro: Mauad X/FAPERJ.

Furtado da Cunha, M. A. & Oliveira, M. R. de & Martelotta, M. E. (2015). Linguística funcional teoria e prática. São Paulo: Parábola Editorial.

Furtado da Cunha, M. A. & Souza, M. M. de. (2011). Transitividade e seus contextos de uso. Coleção: Leituras introdutórias em linguagem, v. 2. São Paulo: Cortez.

Goldberg, A. (1995). Constructions: a construction grammar approach to argument structure. Chicago: University of Chicago Press.

Goldberg, A. (2006). Constructions at work: the nature of generalization in language. Oxford: Oxford Uni-versity Press.

Goldberg, A. (2013). Constructionist Approches. In T. Hoffmann & G. Trousdale (Eds.), The oxford handbook of construction grammar. New York: OUP, pp. 10-21.

Heine, B. & Kaltenbock, G. & Kuteva, T. (2019). On the rise of discourse markers. Researchgate. Preprint. DOI: http://doi.org/10.13140/RG.2.2.31703.73129.

Hopper, P. J. (1987). Emergent grammar. In J. Aske, N. Berry, L. Michaelis & H. Filip (Eds.), Berkeley Linguistics Society 13: General session and parasession on grammar and cognition. Berkeley, CA: BLS, pp. 139-157.

Jubran, C. S. (Org) (2013). A construção do texto falado, v. 1. São Paulo: Contexto.

Koch, I. V. (2013). A coesão textual. São Paulo: Contexto.

Marcuschi, L. A. (1986). Análise da conversação. São Paulo: Ática.

Marcuschi, L. A. (2004). Da fala para a escrita. São Paulo: Cortez.

Martelotta, M. E. (2011). Mudança linguística: uma abordagem baseada no uso. São Paulo: Cortez.

Martelotta, M. E. (2012). Advérbios - conceito e tendências de ordenação. In M. R. de Oliveira & M. M. Ceza-rio (Orgs.), Adverbiais: aspectos gramaticais e pressões discursivas. Niterói: Editora da UFF, pp. 13- 96.

Neves, Ma. H. de M. (2011). Gramática de usos do português (2a ed.). São Paulo: UNESP.

Oliveira, M. R. de & Rosário, I. da C. do (2015). Linguística centrada no uso: teoria e método. Rio de Janeiro: FAPERJ.

Risso, M. S., Silva, G. M. de O. & Urbano, H. (2002). Marcadores discursivos: traços definidores. Gramática do português falado (2. ed.). São Paulo: Unicamp, pp. 21-57.

Rosa, F. S. da L. (2019). A mesoconstrução marcadora discursivo refreador-argumentativa: uma análise cognitivo-funcional. Tese de doutorado. https://app.uff.br/riuff/bitstream/handle/1/13019/Tese_Fl%c3%a1via%20Saboya_final.pdf?sequence=1&isAllowed=y.

Rosário, I. da C. do & Oliveira, M. R. de. (2016). Funcionalismo e abordagem construcional da gramática. Alfa, 60(2), 233-259. doi: http://doi.org/10.1590/1981-5794-1608-1.

Sambrana, V. R. M. (2017). Marcadores discursivos formados pelos verbos perceptivo-visuais olhar e ver: uma abordagem construcional. Dissertação de mestrado. https://app.uff.br/riuff/handle/1/3738.

Sambrana, V. R. M. (2019). Marcadores discursivos formados pelos verbos perceptivos-visuais olhar e ver: vir-tualidade e contexto de uso. In J. R. Silva & D. M. Gomes (Orgs.), Análise linguística em perspectiva funcional. Natal: EDUFRN, pp. 194-219. https://repositorio.ufrn.br/bitstream/123456789/27100/1/An%C3%A1lise%20lingu%C3%ADstica%20em%20perspectiva%20funcional.pdf.

Sambrana, V. R. M. (2021). Construcionalização de marcadores discursivos formados por olhar e ver no português. Tese de doutorado. https://app.uff.br/riuff/handle/1/22848.

Schiffrin, D. (1987). Discourse markers. Cambridge: Cambridge University Press.

Traugott, E. C. (1995). The role of the development of discourse markers in a theory of grammatica-lization. Paper presented at I CHL XII Manchester. Stanford University, USA, pp. 1-23. https://web. stanford.edu/traugott/papers/discourse.pdf.

Traugott, E. C. (2018). Rethinking the role of invited inferencing in change from the perspective of interac-tional texts. Interaction and Language Change, 4, 19-34. New York: Mouton of Gruyter. https://www. degruyter.com/document/doi/10.1515/opli-2018-0002/html.

Traugott, E. C. (2021). A constructional perspective on the rise of metatextual discourse markers. Cadernos de Linguística, 2(1), 1-26. https://cadernos.abralin.org/index.php/cadernos/article/view/269.

Traugott, E. C. & Dasher, R. (2005). Regularity in semantic change (2. ed.). Cambridge: Cambridge University Press.

Traugott, E. C. & Trousdale, G. (2013). Constructionalization and constructional changes. Oxford: Oxford University Press.

Downloads

Publicado

01-12-2022

Como Citar

Rosana Mattos Sambrana , V. (2022). A construção marcadora discursiva de visualização virtual e seu estatuto categorial. Redis: Revista De Estudos Do Discurso, (11), 276–302. https://doi.org/10.21747/21833958/red11a10